Escolha uma Página

Entenda de uma vez por todas o que é SEO e para o que ele serve

O SEO é um apanhado de técnicas que faz parte do marketing digital e tem foco em tornar páginas em uma referência sobre diversos assuntos.

11 ago 2022

Tempo de Leitura: 11 min.
o que é seo

As técnicas de SEO satisfazem o internauta, apontando a resposta para as suas dúvidas e fazem páginas crescerem, tudo ao mesmo tempo!

O Search Engine Optimization, ou apenas SEO, é um conjunto de práticas utilizadas para melhorar o posicionamento de páginas em pesquisas feitas nos principais buscadores da internet, como o Google e o Bing.

Levantamentos apontam que a maioria absoluta dos internautas que fazem pesquisas nos buscadores da internet, não saem da primeira página de pesquisa, procurando as respostas para suas questões nos primeiros sites que aparecerem.

É justamente nesse momento que o SEO se mostra crucial, pois é ele quem torna as páginas mais visíveis a esses usuários.

Pondo em prática todas as estratégias que compõem o SEO, como o posicionamento de palavras-chave, por exemplo, você pode fazer a sua página “bombar” na internet gerando o chamado tráfego orgânico, sem investir nada em mídias tradicionais.

Confira neste artigo o que é SEO e como utilizar essa estratégia em seu negócio online.

Quer ler depois? Ou quer imprimir este artigo?

Preencha abaixo e seja direcionado ao PDF.

O que é SEO?

Como citamos anteriormente, o SEO é um conjunto de práticas que visam guiar a produção de conteúdo de páginas, para que elas sejam aceitas nos motores de busca.

O termo Search Engine Optimization, que dá origem à famosa sigla, significa algo como “engenharia de otimização para pesquisa”, em tradução livre para o português.

Essas práticas são, basicamente, exigências que os algoritmos dos buscadores impõem aos criadores de conteúdo.

Essas regras servem para blogs, microblogs, sites, lojas e todos os outros tipos de páginas existentes que possam ser alcançadas pelo Google e serviços semelhantes.

As estratégias que compõem o SEO giram em torno do bom posicionamento e otimização de palavras-chave e frases-chave, que são os termos pesquisados pelos usuários.

Como exemplo, se você descobrir que a frase-chave “como perder peso” é buscada por muitas pessoas, deve construir conteúdos que girem em torno desse termo para dar uma resposta adequada ao internauta.

Vale destacar que o formato de conteúdo padrão para a implantação do SEO são textos, como esse.

Além da utilização e otimização de palavras-chave, o SEO envolve outras diversas exigências, que são a forma dos motores de busca dizerem o que querem do criador de conteúdo. Falaremos mais deles no decorrer do artigo.

SEO e SEM: qual a relação?

Ao digitar a frase-chave “o que é SEO” nos buscadores, muitos usuários se deparam com uma outra sigla muito parecida, a SEM (Search Engine Marketing), que em tradução livre quer dizer “engenharia de pesquisa para o marketing”.

Bom, em suma é possível dizer que o SEO e o SEM são praticamente a mesma coisa, só que com objetivos diferentes. Nós vamos explicar.

Enquanto o SEO é um conjunto de boas práticas para uma produção de conteúdo digital totalmente orgânica, o SEM é um conjunto de estratégias que visam otimizar as mídias pagas, sendo um padrão para o chamado tráfego pago.

Digamos que o foco de quem pratica o SEO deve ser otimizar palavras e frases-chave para atrair o leitor de forma natural e gratuita, enquanto os adeptos do SEM devem posicionar corretamente campanhas feitas através de ferramentas como o Google Ads, que basicamente dispara propagandas e anúncios.

Até certo ponto esses dois conjuntos de boas práticas se completam e conversam entre si, mas não são a mesma coisa.

A história do SEO

Para saber o que é SEO, é necessário, claro, entender a sua história. Para isso, confira os tópicos a seguir!

Quando e como surgiu?

O SEO surgiu ainda nos primórdios da internet, no início dos anos 1990, quando nem mesmo as demais estratégias de marketing de conteúdo existiam e os primeiros sites ainda começavam a ser criados.

No seu início o Search Engine Optimization não era nem mesmo nomeado, sendo tido apenas como um conjunto de boas práticas para a organização de páginas da internet.

Afinal, como em todo e qualquer começo, o início da internet foi turbulento e desorganizado, necessitando de padrões que pudessem estabilizar e alinhar tudo.

Quem foram os criadores do SEO?

Em sua fase inicial o que viria a ser chamado de SEO foi usado por empresas como a Excite e a Yahoo.

Entretanto, apenas em meados de 1995, quando Sergey Brin e Larry Page criaram o BackRub, o SEO foi nomeado e realmente estabelecido.

Para quem não sabe, BackRub é o antigo nome do poderoso Google, que veio surgir entre 1997 e 1998, e se tornar uma referência na categoria de motores de busca para a internet.

Como se deu a sua evolução?

Como dissemos acima, em seu início, o SEO serviu como um farol para a organização e ranqueamento de páginas nos primeiros buscadores da internet.

Contudo, com o passar do tempo outras técnicas de organização, padronização e qualificação de conteúdos foram sendo adicionadas.

Essas mudanças partiram também de atualizações sofridas pelos algoritmos do Google e de outros buscadores, que estão bem mais seletivos do que a há três décadas atrás.

Hoje em dia, não basta apenas adicionar links e jogar palavras-chave dentro de artigos para blog, por exemplo. É necessário estruturar e configurar cada conteúdo corretamente.

Mecanismos de busca: o que são?

Os motores de busca, também chamados de sites de busca, são mecanismos guiados por algoritmos que rastreiam, organizam e ranqueiam conteúdos da web. O objetivo é fornecer respostas aos usuários que chegam com dúvidas aos buscadores.

Além do Google, que abocanha 92% desse setor da internet, existem vários outros sites de busca, como Yahoo, Baidu, Bing e outros.

Apesar de terem peculiaridades em seu funcionamento, todos os os mecanismos de busca compartilham regras de otimização de conteúdo baseadas no  SEO, para oferecer sempre o melhor resultado possível aos internautas.

Como funcionam?

Se você está buscando saber o que é SEO, com certeza gostaria de saber também como funcionam os sites de busca.

Em suma, o processo de busca possui três etapas. São elas:

  • Rastreamento: captação dos conteúdos criados por donos de sites, blogs e outros;
  • Indexação: os conteúdos captados são lançados em uma espécie de biblioteca que existe tanto no Google quanto em outros buscadores;
  • Ranqueamento: por fim, os conteúdos são rankeados, com os mais otimizados ficando nas primeiras posições da pesquisa.

As etapas de rastreamento e indexação são feitas a todo momento, pelos chamados spiders, que são os robôs dos motores de busca.

Já o ranqueamento, que é a classificação desses conteúdos, é feito no momento da busca, quando alguém digita determinadas palavras ou frases-chave.

Quer ler depois? Ou quer imprimir este artigo?

Preencha abaixo e seja direcionado ao PDF.

O que pode levar um conteúdo a ser bem rankeado nos buscadores?

Quem busca entender o que é SEO se depara com uma verdade: os buscadores nunca falam exatamente o que querem dos criadores de conteúdo. Porém, eles deixam algumas pistas.

Essas pistas norteiam as boas práticas de SEO na atualidade, fomentando a chamada consultoria em marketing digital, que ensina, entre outras coisas, os produtores de conteúdo a “agradarem” os motores de busca.

Nesse sentido, existem dois grandes grupos de fatores que podem melhorar o ranqueamento de páginas no Google e noutros serviços de busca. São eles:

On page

Em resumo, é possível dizer que o chamado SEO on page observa detalhes presentes no texto, como:

  • Título;
  • Subtítulos;
  • Meta descrição (resumo que é mostrado na pesquisa do Google);
  • Tamanho do conteúdo (texto de 1000 palavras, texto de 500 palavras, texto de 300 palavras, etc);
  • Qualidade do conteúdo escrito;
  • Volume de conteúdos postados pelo site ou blog (quanto mais textos publicados, melhor rankeada a página fica);
  • Ecaneabilidade (o texto deve ter listas, frases e parágrafos curtos, citações, etc);
  • Uso correto das palavras-chave e da semântica;
  • URL (endereço da página) otimizada e com a presença da palavra-chave principal;
  • Imagens otimizadas;
  • Entre alguns outros.

Assim, para chamar a atenção do algoritmo e ter o seu texto bem rankeado, o criador de conteúdo precisa otimizar bem esses pontos.

Off page

Ao contrário do on page, o SEO off page é baseado em conteúdos que estão indexados aos textos, mas são referentes a outras páginas.

Basicamente, os fatores off page determinam se aquele conteúdo possui autoridade, à medida que cita outros conteúdos e é citado por eles.

Isso pode ser conseguido através do chamado link building (captação de backlinks confiáveis).

No link building alguns fatores são importantes:

  • Quantidade e diversidade de backlinks na página;
  • Ligação entre o backlink e o conteúdo do texto em questão;
  • Se os textos estão sendo inseridos de forma orgânica e fluida no texto;
  • Se a palavra ou frase âncora (onde o link é indexado) é coerente com o conteúdo do backlink;
  • Menções a outras marcas e inclusão de dados oficiais;
  • Entre outros.

 

 

Black hat e white hat: o que são?

Como também já citamos anteriormente, os algoritmos dos mecanismos de busca estão bem mais seletivos em relação aos conteúdos que organizam.

Por causa disso, surgiram as expressões black hat, que faz referência a conteúdos pobres e desajustados, e white hat, que designa conteúdos ricos e que atendem os anseios do internauta.

O que vai definir o que cada conteúdo é, são as diretrizes para SEO de cada buscador em específico. Dessa forma, se você quer saber o que é SEO, precisa ter em mente quais são essas diretrizes para assim evitar os black hats.

Entendendo melhor as palavras-chave, o coração do SEO

É impossível entender plenamente o que é SEO sem saber o que são e como funcionam as palavras e frases-chave, que são, basicamente, os termos digitados pelo internauta.

Esses termos sintetizam a dúvida do usuário, e todo o esforço por trás do SEO tem o objetivo de sanar aquela dúvida da forma mais satisfatória possível.

Atualmente não é mais necessário repetir várias vezes determinada palavra-chave, como no passado recente.

Os algoritmos dos motores de busca, principalmente o do Google, evoluíram para entender também as chamadas intenções de busca, rastreando o que a pessoa quer saber com base nas palavras que digitou, trazendo os resultados de uma forma bem mais orgânica.

Por exemplo, se uma frase-chave for “como tirar manchas das roupas”, o produtor de conteúdo pode usar termos como “roupas manchadas” ou “manchas em roupas”, como frases-chave secundárias, e mesmo assim oferecer resultados idênticos ao leitor.

Tipos de palavra-chave

O processo de aprendizado sobre o que é SEO também passa por conhecer os diferentes tipos de palavras-chave e o seu impacto nas estratégias de otimização.

Veja abaixo quais são eles e as suas principais características!

Head Tail

As palavras-chave head tail são menos específicas e geralmente não possuem termos diretos.

Esse tipo de palavra-chave geralmente é usado por internautas que não sabem bem o que estão procurando.

Como exemplo, se a pessoa quer ver um tênis preto ela ainda não tem certeza de qual marca ou modelo deseja.

Essa pesquisa pode até remeter a um tênis, mas será bem mais vaga e difusa do que se tivesse sido feita usando a frase-chave “tênis preto nike revolution 6”.

Long Tail

Ao contrário das head tails, as palavras-chave long tail são bem específicas e geralmente utilizadas por internautas que sabem exatamente o que querem encontrar na internet.

Essas palavras não têm um volume de busca muito alto e, por isso, geralmente não possuem muitos conteúdos voltados para si.

Por outro lado, elas geram um nível de conversão bem mais alto que as head tails, por causa da maturidade dos seus usuários.

Bons exemplos de long tails, são:

  • Como fazer bons posts para Instagram;
  • Tenis preto nike revolution 6;
  • Quanto custa um carro do ano;
  • Quanto fatura uma farmacia pequena;
  • Entre outras.

Outro detalhe a se notar nas long tails é que a maioria delas são extensas, por causa da sua especificidade. Daí o nome “long tail”, que quer dizer “cauda longa” em tradução para o português.

Além do SEO tradicional, existe algum outro tipo?

Até agora, você, que deseja saber o que é SEO, conheceu a forma tradicional dessa técnica, praticada por criadores de conteúdo para a web em sites, blogs e outras páginas da internet.

Contudo, é necessário frisar que sim, existem outros tipos de SEO. Saiba mais sobre eles a seguir!

SEO técnico

O SEO técnico é, basicamente, o Search Engine Optimization direcionado à estruturação de sites e outras páginas da internet.

Esse tipo de SEO está ligado diretamente ao SEO on page, pois atua na arquitetura dos sites, otimizando até mesmo seus códigos internos.

SEO local

O SEO local é a utilização de boas práticas de otimização para buscas locais, como rastreamento de endereços e captação de contatos telefônicos de estabelecimentos comerciais que estejam próximos da localização do usuário que fez a busca.

Como exemplo, ao fazer uma pesquisa no Google por “lojas de calçados”, o usuário será direcionado a estabelecimentos do tipo que estão mais próximos dele e cadastrados no Google Meu Negócio, uma ferramenta criada especificamente para esse fim.

Vale destacar que o SEO local está intimamente relacionado aos serviços de geolocalização, como o Google Maps.

SEO de redes sociais

Usar SEO nas redes sociais tem um impacto semelhante ao que é visto nas buscas do Google, apesar de a dinâmica desses espaços ser bastante diferente daquela vista nos motores de busca.

Cada rede social possui um algoritmo próprio e diretrizes específicas. Porém, a “viralização” de um conteúdo também é baseada na satisfação do usuário, assim como os conteúdos focados em SEO produzidos para os buscadores.

Porque investir para ter um SEO melhor?

Por fim, depois de entender o que é SEO, saiba alguns pontos que justificam o investimento na prática dessas estratégias:

  • Aumento de tráfego no seu site ou blog;
  • Maior geração de leads (potenciais compradores ou consumidores);
  • Baixo investimento, em relação a estratégias de tráfego pago;
  • Um possível maior retorno dos investimentos feitos, por causa dos custos reduzidos;
  • Aumento da autoridade da sua página sobre o assunto que aborda;
  • Entre outros.

Aprofunde-se nos conhecimentos sobre SEO e invista nessa área!

O que você achou desse conteúdo?

Esperamos seu feedback nos comentários e que você volte sempre para conferir mais informações para crescer seu negócio.

Sobre o autor:

Dênis Ferreira - CEO da Hidrogênio Digital
Especialista em Marketing Digital, cursou Publicidade e Propaganda na Uniube e EFB na Kaplan, NY. Tem no marketing digital para pequenos e médios negócios sua paixão e busca a inovação a todo instante.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.